Color

Ásia vive primeira recessão desde 1960

Ásia vive primeira recessão desde 1960

Ásia vive primeira recessão desde 1960
lifestyleworld

Ásia vive primeira recessão desde 1960

Na contramão do restante do continente, somente o leste asiático deve expandir sua economia em até 1,3%.

A região concentra a China, Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Singapura, Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia. Para 2021, a recuperação está estimada em até 7%, estimou o relatório.

Sub-regiões em desenvolvimento são as mais prejudicadas. As que dependem do comércio e turismo, como na região do Pacífico e ao sul da Ásia, enfrentam contrações de dois dígitos – um valor pessimista e de recuperação prolongada. As Ilhas Cook, Marshall, Palau, Samoa e Tonga devem ser as mais impactadas.

Até o final do ano, é essencial que as prioridades políticas foquem nos mais vulneráveis a fim de garantir um retorno seguro ao trabalho e ao reinício das atividades comerciais, apontou Sawada.

Expectativas para 2021

A expectativa é que a região volte a se recuperar em 2021, com um aumento estimado em 6,8% em relação a 2020. Em incentivo, o banco oferece pacotes de apoio a políticas públicas de US$ 3,6 trilhões, ou cerca de 15% do PIB (Produto Interno Bruto) regional.

A China é uma das poucas economias que não registra recessão: a estimativa é que o país crescerá 1,8% em 2020 e 7,7% em 2021. As medidas de saúde públicas bem-definidas fortaleceram a expansão, concluiu o estudo.

Na Índia, por outro lado, o PIB já contraiu 23,9% apenas no primeiro trimestre do ano fiscal – um infeliz recorde cujos impactos serão sentidos no país pelos próximos anos.

A Índia está em segundo lugar no número de infectados por Covid-19, só atrás dos EUA, com mais de cinco milhões de casos confirmados.