Color

Nos EUA, uso da maconha vira questão dos estados, independente do Congresso

Nos EUA, uso da maconha vira questão dos estados, independente do Congresso

Nos EUA, uso da maconha vira questão dos estados, independente do Congresso
lifestyleworld

Nos EUA, uso da maconha vira questão dos estados, independente do Congresso

Se aprovadas nos dois estados, mais 16 milhões de norte-americanos teriam acesso à erva sem necessidade de justificativa médica. Também significaria que um terço da Câmara e um quarto do Senado representariam locais com maconha legalizada.

No total, seriam 100 milhões vivendo em estados com legalização aprovada.

Antes da pandemia, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, havia posto a legalização da substância como “alta prioridade” para 2020. O surgimento do novo coronavírus e o alto contágio no estado, que se tornou em abril um dos epicentros globais da doença, atrasou os planos.

Outros estados que paralisaram – ao menos por ora – o debate sobre a legalização total são New Hampshire, Connecticut e Vermont. Em Nebraska, uma derrota judicial impôs freio à questão.

Ainda neste ano, é esperada votação a respeito do uso médico no conservador Mississippi. Se a medida for aceita, o estado sulista junta-se a Oklahoma, Utah e Arkansas na liberação da maconha medicinal.

Para lobistas consultados pela reportagem, a tese é a de que os representantes de estados onde a erva foi legalizada teriam problemas com suas bases caso a questão fosse votada e negada em âmbito federal.

O movimento de legalização da maconha começou há cerca de uma década, puxado pelos estados do Colorado, no meio-oeste, e de Washington, na costa do Oceano Pacífico.